Topo
News Informatica
Barbershop1
IrisPharma1
Alencar 1

Colheita de grãos deve crescer 2,5% em 2021 e bater recorde de 260,5 milhões de toneladas, diz IBGE

Por Redação em 13/01/2021 às 10:54:38

A produção de soja deve puxar a produção e ter um novo aumento (+6,8%). Por outro lado, colheitas de milho de 2ª safra (-1,8%) e do algodão herbáceo (-14%) devem recuar, segundo o instituto. Produção de soja em MT

Divulgação

A colheita de grãos do Brasil deve atingir um volume recorde de 260,5 milhões de toneladas em 2021, uma alta de 2,5% em relação a 2020, divulgou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (13), por meio do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA).

Enquanto a produção de soja deve ter um novo aumento (+6,8%), as colheitas de milho de 2ª safra (-1,8%) e o algodão herbáceo (-14%) devem recuar.

O instituto informou ainda que a projeção final para a safra de 2020 chegou a 254,1 milhões de toneladas, mais um recorde nacional e 5,2% maior em relação a 2019.

Somente milho, soja e arroz somaram 92,7% da produção e 87,1% da área colhida. Comparando com 2019, o IBGE destacou que houve altas de 7,1% para a soja, de 7,7% para o arroz e 2,7% para o milho.

As estimativas de produção para 2020 por cultura são as seguintes:

Soja: 121,5 milhões de toneladas;

Milho: 103,2 milhões de toneladas;

Arroz: 11 milhões de toneladas;

Algodão: 7,1 milhões de toneladas.

Entre os estados, o Mato Grosso lidera como maior produtor nacional de grãos, com uma participação de 28,7%, seguido pelo Paraná (15,9%), Rio Grande do Sul (10,3%), Goiás (10,3%), Mato Grosso do Sul (8,7%) e Minas Gerais (6,2%).

Projeções 2021

Algodão. A produção de algodão deve ter uma queda de 14% em relação a 2020. Segundo o IBGE, nos últimos três anos, o o setor alcançou recordes para atender à demanda internacional.

Contudo, com a pandemia da Covid-19 essa demanda diminuiu, influenciando na decisão de plantio da próxima safra. A área plantada (1,5 milhão de hectares) recuou 9,9%, e o rendimento médio (4.132 kg/há) caiu 4,6%. Os principais produtores são Mato Grosso (69,4% do total nacional) e Bahia (19,7%).

Arroz. A produção de arroz deve ter queda de 0,8% em relação a 2020, com reduções também de 0,2% na área a ser colhida e de 0,7% no rendimento médio. Por outro lado, a produção deve ser suficiente para o mercado interno brasileiro.

O Rio Grande do Sul é responsável por quase 70,0% da produção nacional, com lavouras irrigadas de alta tecnologia. As estimativas de produção (7,6 milhões de toneladas) têm queda 1,9% em relação a 2020 e redução de 3,3% na produtividade (7.907 kg/há).

Feijão. O feijão deve ter queda de 3,0% em relação à safra colhida em 2020 (menos 86,4 mil toneladas). A 1ª safra deve produzir 1,3 milhão de toneladas; a 2ª safra, 956,1 mil toneladas e, a 3ª safra, 545,6 mil toneladas.

A área a ser colhida na safra de verão (1ª safra) deve alcançar 1,5 milhão de hectares, declínio de 0,6% em relação a 2020, enquanto que a estimativa para o rendimento médio (851 kg/há) recuou 1,3%.

Milho. Em 2021, a produção do setor deve cair 1,5% em relação à safra 2020. Por outro lado, essa estimativa é 1,6% maior que a anteriormente realizada pelo IBGE.

Soja. A estimativa da produção para a soja em 2021 (129,7 milhões de toneladas) aponta alta de 6,8% em relação a 2020.

Em função dos preços mais compensadores da soja em relação ao milho, os produtores devem ampliar suas as áreas de cultivo, que em 2021 devem representar mais de 57,0% da área total de cereais, leguminosas e oleaginosas.

VÍDEOS: veja mais notícias sobre o agronegócio

Fonte: G1

Comunicar erro
News Informatica 2
Barbershop 720 x 90
IrisPharma2
Alencar Moveis 2

Comentários

IrisPharma
News Informatica 3
tv indoor
Barbershop3
Alencar Moveis 3