TV INDOOR
Barber Shop

'Não está correto', diz Mourão sobre Alcolumbre ainda não ter marcado a sabatina de Mendonça

Por Redação em 13/10/2021 às 09:39:13

Bolsonaro indicou há três meses o ex-ministro da Justiça para vaga no STF, mas o presidente da CCJ do Senado reluta em marcar a sabatina. Mourão falou com jornalista na chegada ao Palácio do Planalto

Guilherme Mazui/g1

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta segunda-feira (13) que não considera “correto” o comportamento do senador Davi Alcolumbre, que ainda não marcou a sabatina no Senado do ex-ministro da Justiça André Luiz Mendonça, indicado há três meses pelo presidente Jair Bolsonaro para o Supremo Tribunal Federal (STF).

Como presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, cabe a Alcolumbre pautar a sabatina de Mendonça no colegiado. A CCJ é responsável por sabatinar e emitir um parecer sobre os indicados ao STF. Já o plenário do Senado aprova ou rejeita a escolha do presidente da República.

Mendonça, que também foi ministro da Advocacia-Geral da União (AGU), teve a indicação oficializada por Bolsonaro há três meses. Contudo, a sabatina ainda não teve a data marcada, o que tem gerado críticas dentro do governo. Mourão foi questionado sobre a situação nesta segunda, ao chegar ao gabinete no Palácio do Planalto.

“Acho que não está correto isso aí. O senador Alcolumbre devia cumprir a tarefa dele como presidente da Comissão de Constituição e Justiça, botar o nome para ser votado e acabou. Se for aprovado, muito bem, e se não for, muito bem também. É o papel do Senado confirmar ou não a indicação do presidente da República”, disse Mourão.

“Gosto que as coisas sejam feitas de acordo com a regra. A regra é o quê? Está indicado, você vota. Acabou. Se vai ser aprovado ou não, é outra coisa”, acrescentou o vice.

Nos bastidores, Alcolumbre trabalha para que Bolsonaro reveja a indicação do jurista escolhido para herdar a vaga de Marco Aurélio Mello no Supremo. Desde a aposentadoria do ministro, em julho, a Corte está com 10 em vez de 11 integrantes.

Mendonça já declarou que não pretende desistir da vaga no STF. Bolsonaro já declarou que, caso o Senado rejeite Mendonça, indicará outro jurista evangélico. Mendonça é pastor e se enquadra no perfil “terrivelmente evangélico” defendido por Bolsonaro para a cadeira aberta no Supremo. .

Fonte: G1

Comunicar erro
TV INDOOR
Barber Shop

Comentários

TV INDOOR
Barber Shop