TV INDOOR
Barber Shop

Como os abrigos para refugiados da Venezuela em Roraima lutam contra a Covid-19

Por Cidade em Foco.net em 22/01/2022 às 05:54:04

Controlar o coronavírus em um local cheio de migrantes foi uma tarefa muito difícil nos piores momentos da pandemia. Após o luto com as mortes e as preocupações com as famílias que ficaram no país de origem, a maioria dos venezuelanos aderiu à vacinação no Brasil e espera superar a pandemia. Os impactos da pandemia nos abrigos para venezuelanos em Roraima

Quando o novo coronavírus chegou ao Brasil, em fevereiro de 2020, as equipes que trabalham nos abrigos para venezuelanos refugiados e solicitantes de refúgio em Roraima se viram diante de uma enorme preocupação: como garantir a saúde de centenas de pessoas que convivem juntas em um mesmo espaço diante de uma doença tão contagiosa como a Covid-19?

A missão não era fácil. O coronavírus se transmite pelo ar, e, no início da pandemia, sabia-se muito pouco sobre o comportamento do patógeno. Agora, com vacinas disponíveis, há um trabalho para incentivar a imunização entre os migrantes — que também têm direito a tomar os mesmos imunizantes que os brasileiros.

Migrantes esperam no Posto de Triagem da Operação Acolhida em Boa Vista diante de um cartaz com a bandeira da Venezuela e a frase, em espanhol: 'Não deixe que uma atitude irresponsável no presente traga tristeza e sofrimento no futuro. Vacine-se, você e seus filhos!'

Fábio Tito/g1

Aos 71 anos e ex-fumante, Eufrosina Guaza sabia que estava entre os grupos mais vulneráveis para a Covid-19 desde o começo da pandemia. Nascida na Colômbia mas radicada na Venezuela desde os anos 1970, a idosa tomou as duas doses da vacina já no primeiro semestre de 2021 e ainda segue as medidas de precaução para evitar o contágio.

“Só quando estou em casa, eu tiro a máscara. E se vou às ruas coloco duas. E toda hora levo álcool gel. E graças a Deus, até agora, não me aconteceu nada”, diz Eufrosina.

Eufrosina Guaza, de 71 anos, conta que só fica sem máscara quando está sozinha em sua casa no abrigo da Operação Acolhida em Boa Vista

Fábio Tito/g1

A conscientização sobre o uso da máscara, aliás, é um quebra-cabeça a mais porque os abrigos inteiros são, afinal, a casa desses migrantes. Cada família tem acesso a uma pequena unidade, abastecida com energia solar. Mas, não raro, passam a maior parte do tempo nas áreas comuns, do lado de fora.

Assim, há momentos-chave em que um protocolo mais rigoroso é instituído: máscaras são obrigatórias para que os abrigados se sirvam nas refeições. Além disso, devem respeitar uma fila e evitar grandes aglomerações no momento da comida. A lavagem de mãos é obrigatória quando os venezuelanos retornam das ruas.

“Um ponto foi a comunicação com a comunidade. Nós trabalhamos de forma exaustiva para trazer informações corretas e confiáveis principalmente sobre as medidas preventivas”, afirma Leila Rafael da Silva, assistente de proteção da Agência da ONU para Refugiados (Acnur).

Cartaz em uma parede do Centro de Triagem da Operação Acolhida aponta a obrigatoriedade do uso de máscaras no local

Fábio Tito/g1

Luto, preocupação e trabalho

Mesmo com os cuidados e com a insistente conscientização sobre os riscos da Covid-19, o coronavírus entrou nos abrigos da Operação Acolhida em Roraima — especialmente nos momentos mais graves da pandemia em todo o país.

Segundo o Acnur, 14 venezuelanos abrigados no estado morreram por causa da Covid-19 até o fim de 2021. E mais de 800 chegaram a ser colocados em quarentena, isolados em áreas especiais dos abrigos, por apresentarem sintomas da doença.

Havia, ainda, a preocupação com os familiares que ficaram na Venezuela. “Principalmente por causa da deterioração dos serviços de saúde venezuelanos. Durante a pandemia, isso piorou ainda mais”, aponta Leila da Silva, do Acnur.

Abrigo de refugiados da Operação Acolhida em Boa Vista, Roraima

Fábio Tito/g1

Como os venezuelanos muitas vezes trabalham em Boa Vista em profissões essencialmente presenciais, foi muito difícil evitar que eles contraíssem o vírus durante os momentos de maior contágio na capital roraimense.

“Era muito triste, as pessoas saíam para trabalhar e voltavam infectadas”, relata Yohana Tovar, de 40 anos. Ela, o marido e os quatro filhos que a acompanham no abrigo não pegaram Covid. “Graças a Deus, passamos todo esse tempo bem.”

Yohana Tovar, de 40 anos, e a família abrigada pela Operação Acolhida depois que eles chegaram da Venezuela

Fábio Tito/g1

“Tivemos visitas e conversas sobre prevenção, nos davam kit com álcool gel, sabão e tudo isso. E, bom, pudemos passar toda a pandemia bem, graças a Deus, e com saúde.”

O trabalho, inclusive, foi uma forma encontrada pelos voluntários e representantes da sociedade civil nos abrigos para estimular os venezuelanos a atuarem proativamente na luta contra o coronavírus.

Crianças venezuelanas brincam em um abrigo da Operação Acolhida em Boa Vista

Fábio Tito/g1

Vanessa Epifânia, do projeto Fraternidade Sem Fronteiras, confeccionou máscaras dentro do local onde já existia uma oficina de costura. “Queríamos também ser uma resposta para esta situação em nosso abrigo, então começamos a fazer as máscaras”, conta.

“Fizemos isso para que a comunidade pudesse entender que, sim, existia um perigo iminente. Mas que a gente deveria não só seguir os protocolos, mas também cuidar da própria comunidade.”

Máscaras confeccionadas por venezuelanos em oficina foram uma forma de conscientizar sobre as medidas de prevenção do coronavírus

Fábio Tito/g1

A hora das vacinas

Houve comemoração nos abrigos quando, em janeiro de 2021, a vacinação contra a Covid-19 começou em todo o país. Embora em um ritmo inicial bastante lento e com as doses restritas aos grupos prioritários, foi o começo da esperança na superação da pandemia.

“As primeiras pessoas vacinadas foram os idosos. Foi um dia de festa, para todo mundo. Teve um senhor que chorou, e a gente chorou”, relata Leila da Silva, do Acnur.

Foi necessário, então, um trabalho muito intenso para conscientizar os abrigados sobre a importância da vacinação. Não foi tarefa fácil. Informações falsas chegavam a todo momento, e eram os profissionais e voluntários que tinham de explicar por que valia a pena manter a imunização em dia.

Movimentação de venezuelanos é intensa diante do Centro de Triagem da Operação Acolhida em Boa Vista

Fábio Tito/g1

Deu certo, ao menos em parte. De acordo com dados do Acnur do início de dezembro, 59,15% dos abrigados tinham a imunização completa contra a Covid-19. Falta muita gente, é verdade, mas o dado está acima do percentual do estado de Roraima, onde nem 40% da população havia completado o esquema de vacinação até 10 de dezembro de 2021.

Um detalhe, porém, ajudou no convencimento de muitas das famílias: ao chegar ao Brasil, a maioria dos migrantes venezuelanos deve obrigatoriamente tomar a vacina tríplice viral — que protege contra caxumba, rubéola e sarampo. E os pais também são orientados a vacinar as crianças contra as demais doenças antes de colocá-las nas escolas.

Como mãe que vacinou os filhos, Yohana Tovar elogiou esse cuidado. “Tudo tem um controle com as vacinas. Tudo tem um cuidado como deveria ser”, diz.

Menino venezuelano sorri enquanto brinca em abrigo da Operação Acolhida em Boa Vista

Fábio Tito/g1

*Os repórteres viajaram a Boa Vista a convite do Acnur como premiação pelo especial "Saí para salvar minha vida", publicado em 2019 e vencedor da categoria Acnur 70 anos do Prêmio CICV de Cobertura Humanitária em 2020

Fonte: G1

Comunicar erro
TV INDOOR
Barber Shop
TV INDOOR
Barber Shop